Retrospectiva 2020

O ano foi turbulento em diversos aspectos. Seja pelo coronavírus, política, economia ou até mesmo crises climáticas. E a América Latina, como sempre, não ficou de fora desses fatos. Por conta disso, é essencial criar uma retrospectiva 2020 para relembrar o que ocorreu este ano.

Reunimos neste texto os principais acontecimentos que agitaram o continente. Leia abaixo para ficar por dentro sobre tudo que aconteceu este ano.  

Retrospectiva 2020: os principais acontecimentos da América Latina

É impossível lembrar de tudo o que acontece em um ano, de cabeça. São mais de 20 países que passaram por muitas coisas nesses últimos 366 (sim, porque foi bissexto!) dias. Então, o Exclamación preparou uma retrospectiva 2020, selecionando o principal acontecimento de cada mês para cada país hispanoamericano. Confira!

Janeiro

Chile
  • Argentina: O atual presidente da Argentina, Alberto Fernández, retirou as credenciais da embaixadora venezuelana Elisa Trotta, nomeada pelo presidente interino da Venezuela Juan Guiadó, que era reconhecido pela gestão de Macri
  • Bolívia: A presidente interina, Jeanine Áñez, anunciou sua candidatura às eleições presidenciais, contrariando o que já havia dito anteriormente, que não pretendia se lançar como presidente no futuro pleito. 

O ex-presidente, Evo Morales, escolheu Luis Arce, seu ex-ministro da Economia, como candidato nas eleições presidenciais, tendo como vice o dirigente sindical David Choquehuanca.

  • Chile: A Câmara dos Deputados do Chile aprovou a criação de uma comissão para investigar as eventuais violações de direitos humanos no país, na época do estalo social, em 2019. Os principais alvos da denúncia são o Ministério do Interior e da Polícia. Entre as acusações feitas, estão agressões sexuais e privações da liberdade.

Sob efeito da crise de 2019, o governo de Sebastián Piñera obteve 6% de aprovação, de acordo com o serviço de consultoria Encuesta CEP, sendo a pior avaliação desde a redemocratização. 

  • Colômbia: A ativista colombiana Gloria Ocampo foi assassinada a tiros por sicários no país. Além dela, um homem de 69 anos também foi morto. De acordo com o Instituto Colombiano para o Desenvolvimento e a Paz, em 2019 a Colômbia contabilizou 249 mortes de pessoas ligadas à luta social feitas por grupos de narcotráfico ou motivos políticos.    

O chefe do Exército colombiano, Nicacio Martínez, foi descoberto usando unidades e tecnologias de espionagem clandestina contra políticos, juízes e jornalistas. Além disso, outro alvo da ilegalidade eram os próprios oficiais das Forças Armadas, que estavam revelando casos de corrupção entre os militares. Ele foi afastado do cargo pelo presidente Iván Duque por este motivo. 

O governo de Iván Duque sofreu protestos contra sua gestão, que vão desde o acordo de paz até a profunda desigualdade no país.     

  • Costa Rica: Os Estados Unidos subiram o alerta de segurança para turistas que pretendem ir à Costa Rica, indo da categoria 1  — tomar precauções normais  — para a categoria 2  — exercer maior precaução. O governo americano alega o aumento de crimes violentos que poderiam afetar os estadunidenses. 
  • Cuba: Os Estados Unidos anunciaram que limitaram as autorizações para voos fretados que saem do país para Cuba. As companhias aéreas deveriam retirar, em 60 dias, os nove destinos de seus catálogos, exceto as viagens para Havana. 

Cuba anunciou a não participação da Série de Caribe de 2020, a mais importante competição de beisebol latino-americana. O motivo é a limitação dos Estados Unidos dos voos fretados, fazendo com que a delegação não conseguisse visto em tempo hábil, já que a competição ocorreu em Porto Rico, território associado aos EUA.   

  • El Salvador: As autoridades de El Salvador pediram ajuda da Interpol para busca e extradição do ex-presidente do Congresso, Sigfrido Reyes. Ele é acusado de comandar uma rede de corrupção suspeita de lavagem de dinheiro de, ao menos, US$ 6 milhões. 
  • Equador: O Ministério do Interior esteve analisando uma ameaça de erupção do vulcão La Cumbre, no arquipélago de Galápagos. O vulcão está localizado a 1.470 metros de altura, na Ilha Fernandina. 
  • Guatemala: Tomou posse como presidente do país o médico Alejandro Giammattei, sendo um governo mais ligado à direita. 
  • Honduras: Um grupo de 2 mil hondurenhos saiu da cidade de San Pedro Sula em direção aos Estados Unidos, em virtude da crise migratória que atinge o país.
  • México: Um menino de 11 anos matou sua professora a tiros, e logo depois, suicidou-se, em uma escola de Torreón, localizada no norte do país. Além disso, outros seis estudantes ficaram feridos.  

O número de homicídios no país aumentou em 2019, resultando em 35.588 vítimas, o maior já registrado no México.

  • Nicarágua: Morreu a ativista e criadora do Red Nica Migrantes, Martha Cranshaw, em decorrência de um câncer. A organização ajudava os nicaraguenses a saírem do país para a Costa Rica. 
  • Panamá: A Autoridade do Canal do Panamá anunciou que as mudanças climáticas, em 2019, foi o 5º mais seco já registrado nas últimas sete décadas, podendo afetar o empreendimento nos próximos anos. 
  • Paraguai: O ex-presidente Horacio Cartes tornou-se réu no Brasil pela denúncia de organização criminosa, derivada da Operação Patrón, ligada à Lava Jato. De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro, Cartes pagou US$ 500 mil para ajudar na fuga de Darío Messer, o “doleiro dos doleiros”. 
  • Peru: O presidente Martín Vizcarra anunciou que propôs a ‘universalização da saúde’ no país. O objetivo é melhorar a infraestrutura sanitária e hospitais do país, já que 4 milhões de peruanos não têm acesso a planos e seguros de saúde. 
  • Porto Rico: Uma série de terremotos atingiu o país, chegando a mais de 1,8 mil tremores de variados níveis. O maior já registrado foi em 07/01, sendo de magnitude 6,4. 
  • República Dominicana: A Junta Central Eleitoral da República Dominicana lançou uma campanha contra a compra e venda de votos no país. As eleições aconteceram no primeiro semestre do ano. Diferente de outros países, muitos partidos financiam a compra de votos de eleitores no dia da votação.  
  • Uruguai: O Uruguai é o primeiro país do mundo a transformar a convenção nº 190 da Conferência Internacional do Trabalho. Com isto, fica reconhecido que violência e assédio são violações para a igualdade de oportunidade.   
  • Venezuela: A ONG Foro Penal, que monitora o descumprimento de direitos humanos no país, divulgou que pelo menos 50 pessoas foram mortas em 2019, em consequência das manifestações. Outras 2.219 foram presas e 388 seguem na cadeia por motivos políticos.  

Fevereiro

Nicarágua
  • Argentina: Em fevereiro, aconteceu o primeiro caso de coronavírus do país e da América Latina. A vítima é um dos 61 casos confirmados que estavam em um navio a bordo no Japão.
  • Bolívia: O ex-presidente Evo Morales anunciou a pretensão em se candidatar para a vaga de senador ou deputado nas eleições deste ano, porém seus adversários políticos entraram com pedido para impugnar a candidatura, sob a alegação de Evo estar fora do país e não poder se candidatar por estes motivos. 
  • Chile: Com o novo plebiscito a ser votado por uma nova Constituição, os partidos e movimentos sociais chilenos tiveram quatro semanas para emitir opinião favorável ou contrária à reforma constitucional. Foram 11 organizações inscritas a favor da reforma, e três que são contrários. 
  • Colômbia: Uma ONG dedicada a direitos humanos, a Temblores, acusou o Esquadrão Móvel Antidistúrbios de terem realizado 12 mil detenções ilegais entre novembro e dezembro de 2019, nos protestos em Bogotá contra o governo.   
  • Costa Rica: A Costa Rica teve eleições municipais este ano, tendo 75% de abstenções dos mais de 3,4 milhões de eleitores, a mais alta dos últimos tempos. Nas eleições municipais de 2016, as abstenções chegaram a 65%. 

O Comitê da ONU sobre Direitos da Criança pediu a despenalização e o processo seguro do aborto para adolescentes, sob alegação que a maioria são vítimas do narcotrafico no país.  

  • Cuba: Um terremoto de magnitude 7,7 atingiu o Mar do Caribe, próximo a Cuba e à  Jamaica. Em decorrência da intensidade e localização do tremor, o Centro Internacional de Informações de Tsunami acionou o alerta para seis países, porém retiraram o alarme logo depois.
  • El Salvador: Militares invadiram a sede da Assembleia Legislativa como apoio ao presidente Nayib Bukele, que foi acusado pela oposição de efetuar um autogolpe. Após o ocorrido, a Corte Constitucional proibiu que o Presidente não usasse os militares para objetivos políticos.  
  • Equador: Chegou à Corte Interamericana de Direitos Humanos o julgamento de um caso ocorrido há 18 anos, em que a jovem Paola Guzmán Albarracín foi vítima de abuso sexual do diretor da escola que estudava, até engravidar. 

Após a gravidez, o diretor pediu para que um médico da instituição fizesse um aborto na jovem, porém, em troca, o médico fez uma condição: que também tivesse relações com Paola. Em 2002, a jovem se suicidou, gerando repercussão no país. O caso foi o primeiro de abuso sexual em uma instiuição educacional a chegar à Corte. 

  • Guatemala: O Congresso da Guatemala aprovou uma lei que autoriza o governo a fechar ONGS, que estejam “importunando” o país. Muitos grupos de oposição acreditam que esta lei pode violar a Constituição. O presidente se mostrou favorável a alguns pontos da lei. 
  • Honduras: Honduras registrou uma alta de 16,7% nas vendas de café nos primeiros meses de 2019/2020, em relação à temporada anterior. O país é o maior produtor de café da região central. 

O chefe da Polícia Nacional de Honduras, Leonel Luciano Sauceda, foi preso sob a acusação de lavagem de dinheiro. Ele e sua esposa são acusados de possuir 23 contas bancárias com a quantia aproximada de US $670 mil.

  • México: O exército mexicano deteve um avião proveniente da Argentina, que carregava uma tonelada de cocaína. De acordo com a Secretaria de Defesa Nacional, a droga estava dividida em 12 pacotes, valendo cerca de 12 milhões de dólares. 

Ao menos nove pessoas foram mortas dentro de um fliperama em Uruapán, estado de Michoacán. Após uma perícia, foram encontradas mais de 65 cápsulas de balas. O grupo conhecido como “Los Viagras” é suspeito pela chacina. 

  • Nicarágua: Um grupo de homens armados atacou a comunidade indigena Alal, localizada na reserva Bosawas. Ao menos oito pessoas ficaram desaparecidas. Além disso, os homens atearam fogo em mais de 16 casas e mataram diversos animais criados na aldeia.
  • Panamá: O governo panamenho declarou estado de “ameaça de alto risco” a situação provocada pelo novo coronavírus, liberando US$ 1 milhão para as medidas sanitárias de contenção. 
  • Paraguai: O Senado do Paraguai aprovou projeto que declara emergência sanitária de 90 dias diante dos casos de dengue no país. Os primeiros meses de 2020 registraram mais de 1,7 mil casos da doença. Entre as vítimas da dengue estão o presidente e a primeira-dama do país. Além disso, a doença matou seis pessoas.. 
  • Peru: Nove corpos de agricultores foram encontrados vítimas de um naufrágio na região da Amazônia peruana, onde se encontram os rios Inambari e San Gabán. Cerca de 30 pessoas estavam no barco que ia até Puerto Manoa, quando caiu na correnteza. 
  • Porto Rico: Uma mulher trans foi assassinada em Toa Baja, litoral norte de Porto Rico. Alexa Negrón Luciano teria sido perseguida e atingida a tiros horas depois de ter usado um banheiro público feminino em uma lanchonete da cidade. 
  • República Dominicana: Os dominicanos foram às urnas para votar na eleição municipal. Foi a primeira vez que a República Dominicana realizou o pleito municipal separado de outros votos, já que as eleições gerais ocorreram em maio. 

Porém, a eleição foi considerada um fiasco porque o governo anunciou a suspensão por motivos de problemas com as urnas eletrônicas. Durante a semana, a população tomou as ruas em protesto contra a suspensão da eleição.   

  • Uruguai: Após vinte anos, o Uruguai registrou dois novos casos de sarampo preocupando o país, fazendo com que as autoridades pedissem à população que se vacine contra a doença. 

O presidente Luis Lacalle Pou tomou posse, assumindo o lugar de Tabaré Vázquez, antigo presidente de centro-esquerda do país. 

  • Venezuela: Um grupo de 18 alunos da Universidade Metropolitana de Caracas recebeu o Modelo de Nações Unidas de Harvard, em um projeto internacional que defende os interesses de países em crise. 

Um em cada três venezuelanos sofre com a insegurança alimentar, de acordo com um estudo do Programa Alimentar Mundial da ONU. Cerca de 9,3 milhões de pessoas não atingem os níveis nutricionais básicos diariamente. 

Março

Guatemala
  • Argentina: O presidente Alberto Fernández anunciou que enviou um projeto de lei para legalizar o aborto, gerando manifestações de mulheres contra e a favor da medida. 

O governo informou o envio de 10 mil pesos — aproximadamente R$ 800 na época, hoje equivalente a R$620 — beneficiando cerca de 3,6 milhões de famílias que estão sem rendimentos em decorrência do covid-19.  

  • Bolívia: Por causa da crise do coronavírus, a Câmara dos Deputados boliviano aprovou uma lei para ajudar os bolivianos: os benefícios de água, gás, energia e comunicação terão desconto de 50%. 

Diante do estado de emergência causado pelo coronavírus, povos indígenas da amazônia boliviana criaram um lockdown próprio na comunidade. As principais medidas são restringir a circulação de pessoas, também colocou de quarentena os recém-chegados à comunidade.

  • Chile: O presidente Sebastián Piñera aprovou uma lei para combater o feminicídio no país. A Lei Gabriela considera o autor de feminicídio qualquer pessoa que tenha assassinado a mulher pelos motivos de ódio, menosprezo ou abuso causado pelo gênero, independente de existir ou não um relacionamento. 

A pena pode chegar a 45 anos. Além disso, o termo “ciúme” foi eliminado do Código Penal. O nome da lei é homenagem à Gabriela Alcaíno, uma jovem de 17 anos, que foi morta pelo ex-namorado.

O governo Piñera anunciou estado de exceção no país, por causa do coronavírus, quando, na época, o Chile contabilizava 238 casos da doença. Por 90 dias, os setores de saúde foram priorizados, com direitos a repasses, além de contar com as Forças Armadas nas ruas.

  • Colômbia: O Tribunal Constitucional colmbiano rejeitou a legalização do aborto nas primeiras 16 semanas de gestação, sendo permitido em apenas três casos: se a vida da mãe correr risco, o feto sofrer de má formação ou a gravidez for resultado de um estupro. 

A Organização Nacional Índigena da Colômbia denunciou a morte de 162 indígenas sob o governo de Iván Duque, além de que quase 7 mil foram afetados pelo deslocamento forçado.   

  • Costa Rica: O ministro da Presidência, Víctor Morales, renunciou ao cargo após uma coleta de dados privados dos cidadãos costarriquenhos vir à tona. Morales decidiu sair do cargo antes que passasse pelo processo que pudesse removê-lo do cargo. De acordo com o governo, a coleta de dados confidenciais tinha por objetivo conduzir as políticas públicas do país. 
  • Cuba: Em março, Cuba registrou a primeira morte pelo coronavírus. A vítima era um turista italiano de 61 anos, de acordo com o Ministério da Saúde. 
  • El Salvador: A Justiça decretou que pessoas que estiverem descumprindo o isolamento deverão ser levadas de volta para suas casas, ao invés de serem presos em delegacias. A decisão veio depois do presidente Nayib Bukele decretar tolerância zero com pessoas que violarem a quarentena.  
  • Equador: O país graduou sua primeira turma de mulheres indígenas na Polícia Nacional, totalizando 106 promovidas com o título de tecnólogas em Segurança Cidadã e Ordem Pública. 23 delas são dos povos kichwa, 23 de shuar e 1 huaorani. Foram dois anos de treinamento e elas deverão atuar em suas próprias comunidades, na Amazônia equatoriana. 
  • Guatemala: O Congresso da Guatemala aprovou um projeto de lei endurecendo o trabalho infantil no país, o objetivo é erradicar a prática na região. O decreto aconteceu após um documentário denunciar o uso de crianças em situação de trabalho escravo para a produção de café.  
  • Honduras: A polícia hondurenha realizou, pelo quinto ano seguido, a “Operação Débora”, que tem como objetivo cumprir ordens de captura contra acusados de violências contra as mulheres.
  • México: O governo de Andrés Manuel López Obrador contou com a aprovação de 62% da população mexicana, uma queda de 25 pontos em relação à pesquisa feita um ano antes. Já as pessoas que consideram que o governo segue um “caminho equivocado” cresceu de 29% para 40% no período de novembro a fevereiro. 
  • Nicarágua: O governo de Daniel Ortega proibiu o aborto mesmo em casos casos de estupro ou risco à vida da mãe.

Por causa da crise sociopolítica que afeta o país desde 2018, mais de 100 mil pessoas já deixaram a Nicarágua, de acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Além disso, a repressão política já deixou mais de 300 mortos.

  • Panamá: O número de crianças cruzando a fronteira por meio do Tapón de Darién, acompanhadas ou não de seus pais, aumentou em sete vezes entre 2018 e 2019: de 522 para 4 mil crianças. Os dados são da Unicef. Os destinos mais comuns são os EUA e o Canadá.
  • Paraguai: O ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho foi preso no Paraguai após ser flagrado com passaportes paraguaios falsos, junto do irmão e empresário, Roberto de Assis Moreira. 

O Paraguai anunciou o fim da epidemia de dengue no país, após 53 mortes e 27.597 casos confirmados. 

  • Peru: Até março deste ano, o país já havia contabilizado 464 denúncias de abuso sexual de menores de idade. Em 2019, foram mais de 5,1 menores de idade vítimas de alguma violência, resultando em um caso a cada duas horas.

Morreu o ex-secretário-geral da ONU, Javier Pérez de Cuéllar, morreu aos 100 anos. Ele foi o primeiro latino-americano o cargo entre 1982  e 1991. 

A violência doméstica disparou na quarentena no Peru, segundo o Ministério das Mulheres e Populações Vulneráveis. Foram contabilizados 2.463, na segunda quinzena de março.  

  • Porto Rico: Porto Rico aprovou um pacote de US$ 787 milhões para combater o coronavírus. Parte do dinheiro — US$ 250 milhões — foi destinada para a compra de tablets para todos os estudantes e professores poderem continuar com as aulas à distância.
  • República Dominicana: Após o adiamento das eleições municipais, o novo pleito aconteceu no dia 15 de março, com a vitória da oposição-democrata. O destaque ficou para a economista Carolina Mejía, primeira mulher a conquistar o cargo de prefeita da capital Santo Domingo.
  • Uruguai: O Uruguai foi o último membro ativo do Mercosul a deixar a União das Nações Sul-Americanas — Unasul —, retornando a integrar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca — TIAR —, com isso, sobraram apenas Guiana, Suriname e Venezuela no grupo.  

Além do coronavírus, o país voltou a registrar novos casos de dengue, após quatro anos. 

  • Venezuela: Dois ex-diretores da estatal de petróleo, PDVSA, foram acusados de fornecer dados confidenciais para os Estados Unidos. Segundo nota do governo, a ação favorecia a imposição de sanções por parte dos norte-americanos.

O governo Maduro cancelou os voos vindos da Europa e da Colômbia por um mês como medida de contenção do coronavírus. Além disso, após os primeiros casos confirmados do vírus, o presidente venezuelano anunciou um decreto proibindo a circulação de pessoas sem máscara no metrô e nos trens de Caracas.

Abril

Equador
  • Argentina: O governo argentino decretou que demissões massivas sem justa causa estavam proibidas no país por 60 dias. O parecer aconteceu depois de uma empresa demitir quase 1,5 mil funcionários. 
  • Bolívia: O primeiro município indigena da Bolívia, a Nação Monkoxi de Lomerío, começou a fazer um isolamento voluntário devido à pandemia do coronavírus, proibindo a entrada e saída de pessoas, além de colocar barricadas impedindo o acesso ao local. As autoridades do local também pediram ajuda do governo, já que a região é uma das mais pobres e sem acesso à assistência médica ou policiais para garantir a quarentena.

Além do coronavírus, a Bolívia voltou a ter casos de sarampo no país. Uma gestante de 29 anos foi o primeiro caso desde as últimas duas décadas. O governo boliviano anunciou que após a quarentena acabar, irá começar a campanha de vacinação contra a doença.

  • Chile: A popularidade do presidente Sebastian Piñera teve um aumento desde o início da pandemia do coronavírus. De 6% subiu para 21%.

O cônsul-geral do Chile na cidade argentina de Rosario, Fernando Labra Hidalgo, morreu vítima de coronavírus, aos 65 anos. Ele trabalhava há 32 anos em cargos diplomáticos do país. 

  • Colômbia: O Exército de Libertação Nacional (ELN), a última guerrilha ativa na Colômbia, anunciou um cessar-fogo unilateral em virtude da pandemia. 
  • Costa Rica: Empresários pediram ao governo da Costa Rica que, ao invés de subir os impostos, reduza os gastos públicos em decorrência do coronavírus. A solicitação foi feita após o governo propor um “imposto solidário” para quem recebe salários acima de 1 milhão de colones (R$ 8,5 mil, na cotação atual).
  • Cuba: Por medo do país fechar as fronteiras e a dificuldade do comércio internacional gere problemas no abastecimentos de alimentos, os cubanos fizeram filas nos mercados de Cuba, violando as recomendações de contágio do coronavírus. 
  • El Salvador: Em virtude do isolamento social, o país registrou o menor número de homicídios desde 2017, sendo 65 durante o mês de março. El Salvador já chegou a registrar mais de 600 assassinatos em um mês, nos tempos mais violentos. 
  • Equador: A Justiça do Equador condenou o ex-presidente Rafael Correa a oito anos de prisão por corrupção. Além dele, outros 19 altos funcionários e empresários foram condenados por uma rede de pagamentos de propinas. 

Um deslizamento de terra rompeu um oleoduto na região da Amazônia equatoriana, gerando contaminações do rio Napo e as reservas de água potável das comunidades indígenas vizinhas e a cidade de El Coca.

  • Guatemala: Um grupo de pessoas com coronavírus, formado por deportados nos EUA, tentou fugir de um hospital de campanha. A confusão foi causada porque um dos pacientes não aceitou a recomendação do médico de ir tomar banho, agredindo o profissional. 
  • Honduras: O ex-presidente do país, Rafael Leonardo Callejas, morreu aos 76 anos. A causa da morte foi uma parada cardíaca em decorrência de uma leucemia, doença que o afetou durante cinco meses. 
  • México: O presidente da Associação Psiquiátrica do país, Bernardo Ng Solís, afirmou que cerca de 35% das pessoas poderão sofrer da “síndrome de quarentena” no mundo, porém no México pode chegar a 50% da população. O período de isolamento pode aumentar as crises de ansiedade, pânico, agressividade e apatia, intensificando o consumo de substâncias viciantes.
  • Nicarágua: A Nicarágua não tomou quaisquer providências para evitar o contágio do coronavírus, e para piorar a situação, o presidente do país, Daniel Ortega, sumiu por cerca de um mês. Após duas semanas de quarentena, as aulas e outros serviços foram suspensos na semana prévia e após a Páscoa foram retomados. O governo também liberou a primeira noite da temporada de boxe, com oito lutas e entrada gratuita.
  • Panamá: O país fechou temporariamente a Cobre Panamá, maior mina da América Central, após casos confirmados de covid-19 entre os trabalhadores. A mina foi inaugurada em 2019 e é considerada o maior investimento privado do país e responsável por 3% do PIB panamenho.  
  • Paraguai: A Comissão Econômica para América Latina e Caribe — Cepal —, publicou um relatório sobre a economia da região, mostrando os piores índices desde o começo do registro, em 1900. O país que sofreria menos seria o Paraguai: uma retração de 1,5% no PIB, comparado a 5,2% previsto para o Brasil, 4% do Chile e 6,5% do México.
  • Peru: O Ministério da Justiça do país anunciou que fake news sobre a pandemia pode levar à cadeia, sendo 2 a 4 anos de prisão para quem difundir notícias que causem dano a terceiros, e até 6 anos de cárcere para aquelas que “gerem pânico e perturbem a tranquilidade pública”. 
  • Porto Rico: Os corpos de duas mulheres trans foram encontrados carbonizados dentro de um carro, embaixo de uma ponte na região de Humacao. As primeiras investigações apontam para um crime de ódio. Até o momento, são quatro jovens trans assassinadas no país. 
  • República Dominicana: O segundo bebê a morrer por coronavírus no mundo era da República Dominicana. A criança tinha seis meses de vida. Poucos dias depois, outra criança, de dois anos, também morreu por causa da doença. 
  • Uruguai: Nos primeiros dois dias do mês, os pedidos de seguro-desemprego no país dobraram a média mensal histórica do país: foram 21.016 pedidos, porém a maioria dos casos se refere a suspensões temporárias do contrato de trabalho, não a desligamentos definitivos.
  • Venezuela: O país anunciou uma série de testes de coronavírus em pessoas privadas de liberdade. De acordo com o observatório de prisões do país, a população carcerária pode chegar a 40 mil.  

Maio

Costa Rica
  • Argentina: Gonzalo Sánchez, acusado de crimes contra a humanidade cometidos na ditadura argentina e procurado pela Interpol, foi preso pela Polícia Federal em Paraty, Rio de Janeiro. Ele será processado por crimes cometidos na Escola de Mecânica da Marinha (ESMA), um emblemático centro clandestino de detenção da ditadura em Buenos Aires. 
  • Bolívia: O ministro da Saúde, Marcelo Navajas, — do governo interino de Jeanine Áñez — e seus funcionários foram detidos sob a acusação de participação na compra superfaturada de 170 respiradores no valor de US$ 5 milhões.
  • Chile: O governo chileno prometeu lançar o “Carnet Covid”, para identificar quem pegou covid e cumpriu o isolamento. O Chile afirmou que o registro é uma certificação de alta clínica, não de imunidade. 
  • Colômbia: O presidente Iván Duque reforçou as medidas de segurança nas fronteiras Leticia e Tabatinga, que ligam Colômbia e Brasil. A norma também vale para a fronteira com o Peru. As medidas impostas são a presença de militares, isolamento social e o uso de máscaras.   
  • Costa Rica: O primeiro casamento homossexual foi realizado no país, logo após a lei de casamentos entre pessoas do mesmo sexo entrar em vigor. Mesmo com a pandemia, o casamento de Alexandra Quirós Castillo e Daritza Araya Arguedas foi realizado sem convidados, mas transmitido ao vivo em TV e rádio.  
  • Cuba: O governo dos EUA considerou recolocar Cuba na lista dos Estados que “patrocinam” o terrorismo. Os motivos seriam o apoio do governo cubano a Nicolás Maduro do refúgio concedido aos guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) colombiano. Outros países que estão na lista são Coreia do Norte, Síria, Iraque e Sudão.
  • El Salvador: O presidente Nayib Bukele anunciou medidas mais restritivas ao combate do coronavírus, com isto, a população terá permissão de comprar alimentos e remédios apenas duas vezes por semana.

O governo salvadorenho comunicou a pretensão na reabertura da economia, com medidas que começarão em 06/06, sendo possível pelas medidas adotadas no início da pandemia. 

  • Equador: O presidente Lenín Moreno anunciou a prorrogação do estado de exceção no país por mais um mês. Entre as medidas estão o fechamento dos serviços públicos não-essenciais, suspensão da jornada de trabalho presencial e de voos comerciais, além do toque de recolher. 
  • Guatemala: Em decorrência do pico da pandemia, o país fechou completamente durante três dias, já que o aumento dos casos se deu pelo relaxamento do isolamento social. O país quase dobrou os casos no período de uma semana: de  900 para 1.643. 
  • Honduras: Seis detentas morreram após uma briga na Penitenciária Nacional Feminina de Támara, 10 km ao norte da capital, Tegucigalpa. O motivo da confusão seria que uma detenta entrou no dormitório que habitava duas mulheres isoladas pelo covid-19. 
  • México: O México registrou diversos casos de agressões contra profissionais da saúde durante a pandemia, entre os casos mais graves estão de duas enfermeiras que foram atingidas com água e cloro. 
  • Nicarágua: Em virtude da falta de transparência do governo nicaraguense sobre os números de contaminados pela covid-19, a população criou o Observatório Cidadão. Segundo a organização, 1.033 pessoas poderiam ter se contagiado com covid-19 e outras 188 morreram no país. O governo, porém, admite apenas 25 casos e 8 mortes.
  • Panamá: O presidente Laurentino Cortizo decretou a suspensão da obrigatoriedade dos pagamentos de serviços públicos como telefonia, internet e eletricidade, por quatro meses. O governo também anunciou uma associação com serviços bancários para prolongar pagamentos de hipotecas, empréstimos e cartões de crédito até o final de 2020. 
  • Paraguai: De acordo com o presidente Mario Abdo, o país não contabiliza nenhum paciente internado na UTI por coronavírus. Os bons resultados levaram o governo a implementar a “quarentena inteligente”, um retorno gradual às atividades do cotidiano, com exigências de distanciamento e higiene. 
  • Peru: Nove detentos morreram depois de uma rebelião na cadeia de Miguel Castro Castro, em Lima. O motivo é a falta de medidas para conter o coronavírus na prisão. 
  • Porto Rico: Um relatório feito pelo Centre for Law and Democracy (CLD), a pedido da Rede de Transparência de Porto Rico, mostrou que o país tem uma das piores leis de acesso à informação. De 127 países, a região ocupa a 87ª posição. O país sofre há tempos com falta de transparência. 
  • República Dominicana: Ao menos 131 pessoas morreram num período de três semanas após ingerirem clerén, destilado de cana clandestino vindo do Haiti. Segundo as autoridades locais, havia uma concentração de 50% de metanol coletado nos corpos dos primeiros mortos.  
  • Uruguai: O Uruguai passou o mês avaliando as possibilidades de volta às aulas presenciais das crianças. Primeiro reabriu as escolas rurais gradualmente no mês de maio. E anunciou o retorno das atividades escolares em centros urbanos em junho. Entre as regras estão o impedimento de que as aulas durem mais de quatro horas, o controle de entrada e saída dos alunos e a hora do recreio em horários alternativos. 
  • Venezuela: O governo venezuelano anunciou o aumento de 77% nos salários mínimos, indo de 450 mil para 800 mil bolívares (R$ 25).

De acordo com a Human Rights Watch e especialistas do Hospital Johns Hopkins, nos EUA, a Venezuela pode ter contabilizado até 30 mil mortos pela pandemia. Porém, não houve dados concretos que confirmem estes números. O governo apresenta apenas 14 mortes pela doença.

Junho

México
  • Argentina: O presidente Alberto Fernandez prorrogou a quarentena. A data prevista para acabar seria dia 07/06, mas prolongada até 28/06. Porém, áreas menos críticas continuaram no processo de relaxamento.

Um fóssil de dois milhões de anos foi encontrado a 44 metros de profundidade, a 10 km de Buenos Aires. O material é de um fragmento de osso de uma rã. Após estudos, foi constatado que se tratava de uma matéria dos tempos naturais da história. 

  • Bolívia: A presidente interina extinguiu três dos 20 ministérios e o fechamento de duas embaixadas. As pastas de Cultura e Esporte foram para o ministério da Educação. O ministério da Comunicação passou a ser vinculado à Presidência. As duas embaixadas fechadas são as do Irã e Nicarágua. A justificativa foi a contenção de gastos em decorrência da pandemia.

A jornalista Leonie Dorado foi a primeira mulher trans a apresentar um telejornal na história do país. A apresentadora conduz o jornal noturno Ahora Bolívia.

  • Chile: O Ministério da Saúde chileno passou a adotar uma nova técnica para contabilizar os números de mortos e contaminados pelo coronavírus:  pessoas em cuja certidão de óbito conste a doença como causa mortis, mesmo sem que o resultado do teste tenha saído, já entram nas estatísticas oficiais no mesmo dia.
  • Colômbia: O Senado colombiano aprovou uma reforma colombiana que aumenta a prisão perpétua no país, chegando a 110 anos para crimes de homicidio e estupro de vulneráveis. 

Uma menina indígena de 12 anos foi vítima de um estupro coletivo. Os suspeitos são um grupo de soldados do Exército, que teria sequestrado a jovem do povo Embera Chami. Apenas entre janeiro e maio de 2020, foram feitas 7,5 mil denúncias de estupro, sendo 86% delas menores de idade. 

  • Costa Rica: A fronteira entre Costa Rica e Nicarágua foi reaberta após acordo entre os presidentes de ambos países. A decisão de fechar a fronteira foi feita de forma unilateral pelo governo costarriquenho.  
  • Cuba: Com a pandemia controlada, algumas cidades do país reabriram alguns serviços. O turismo para cubanos foi o primeiro a reabrir, de forma gradual. As aulas foram previstas para voltar em setembro. 
  • El Salvador: Uma tempestade tropical, Amanda, atingiu o conhecido Triângulo Norte da América Central, incluindo Guatemala e Honduras. Quase oito mil salvadorenhos ficaram desalojados. 
  • Equador: O ex-presidente Abdalá Bucaram foi preso sob a justificativa de desviar fundos em um contrato de suprimentos médicos para o Hospital del Seguro, em Guayaquil, uma das regiões mais afetadas pelo coronavírus na América do Sul. 
  • Guatemala: O presidente Alejandro Giammattei demitiu o Ministro da Saúde do país, após a Guatemala ter um aumento nos casos de coronavírus: de 108 óbitos para 483 em 19 dias. A nova Ministra da Saúde é Amelia Flores. 
  • Honduras: O presidente Juan Orlando Hernández foi hospitalizado com covid-19. Ele foi o primeiro presidente publicamente confirmado latino-americano a contrair a doença. 
  • México: A deputada estadual Francis Anel Bueno, de Colima, foi encontrada morta em uma vala clandestina, após um mês desaparecida. Francis foi sequestrada por um grupo armado em 29/04, enquanto participava de uma campanha para conscientizar a população contra a covid-19 na cidade de Ixtlahuacan.
  • Nicarágua: A Human Rights Watch denunciou o presidente Daniel Ortega pelas suas tentativas de “consequências de sua ação vergonhosa” em virtude da pandemia. Entre as críticas feitas pela organização estão intimidações e até a demissão de médicos que comentam sobre a emergência sanitária.
  • Panamá: O Partido Revolucionário Democrático, do presidente Laurentino Cortizo, foi multado por descumprir a quarentena. A multa foi no valor de US$ 50 mil, foi porque vinte deputados se reuniram em um restaurante na capital. 
  • Paraguai: Uma prisão em Ciudad del Este sofreu um surto de covid-19, contabilizando 102 casos da doença — o total no país foi de 106 casos.  A estratégia do governo foi identificar os contágios por contato e isolar os infectados com pessoas já doentes e impor quarentenas individuais.
  • Peru: Vinte jornalistas peruanos morreram de covid-19 após serem infectados em uma uma cobertura sobre a pandemia. De acordo com a secretária executiva da Associação Nacional de Jornalistas (ANP), Zuliana Laínez, a maioria dos contágios aconteceu nos focos da doença: supermercados e hospitais. 
  • Porto Rico: O governo de Porto Rico pretendeu retomar as aulas em agosto, porém, sem uma estratégia para tal. Já que a entrega de computadores  para as aulas a distância não será concluída a tempo: a estimativa é que menos de 50 mil dos quase 280 mil alunos os terão em mãos até o reinício das aulas. A estimativa era que até novembro tudo estivesse regularizado.
  • República Dominicana: Em decorrência da pandemia, a União Europeia decidiu não enviar uma comissão para observação oficial das eleições que aconteceram no país, em 05/07. 
  • Uruguai: O Uruguai tornou-se, por pouco tempo, o primeiro país da América Latina a não registrar nenhum caso de coronavírus. Porém, duas semanas depois, os casos voltaram a aparecer no departamento de Treinta y Tres, que faz fronteira com o Rio Grande do Sul, do outro lado da Lagoa Mirim. O presidente enviou 40 profissionais de saúde para o local e ele mesmo chegou a ir para acompanhar os casos de perto.
  • Venezuela: O Presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello, confirmou as eleições parlamentares, porém sem data definida, na época. 

Julho

República Dominicana
  • Argentina: O ex-secretário da vice-presidente Cristina Kirchner, o advogado Fabián Gutiérrez, foi encontrado morto após dias desaparecido. O corpo tinha sinais de tortura. A polícia do país suspeita de extorsão, porém parte da imprensa acredita em queima de arquivo.  
  • Bolívia: Silvia Lazarte, líder campesina e primeira indegena a presidir a Assembleia Nacional, morreu aos 56 anos. A cochabambina sofria de uma doença pulmonar contraída dentro da prisão, na época da juventude.
  • Chile: O presidente Sebastián Piñera foi flagrado violando a quarentena fazendo compras em uma vinícola em Santiago. Em outra ocasião, o Pinera também foi visto no funeral de seu tio e ex-sacerdote Bernardino Piñera, morto por coronavírus.

O Congresso chileno aprovou uma lei que permite a retirada parcial do dinheiro — 10% do valor poupado — que os chilenos mantêm no fundos de pensão — que, no país, são privados. 

  • Colômbia: O chefe do Exército, Eduardo Zapateiro, revelou que, desde 2016, 118 militares em atividade estão sob investigação acusados de crimes sexuais. Desses, apenas 45 foram afastados dos serviços, já os outros 73 enfrentam investigações criminais e disciplinares junto à Procuradoria-Geral do país. 
  • Costa Rica: Mesmo na piora de casos de coronavírus no país, o governo da Costa Rica anunciou a reabertura dos aeroportos para turistas internacionais a partir de 1º/08. As restrições impostas foram: permitidos cinco voos semanais vindos da União Europeia, Reino Unido e Canadá. Os turistas estadunidenses foram proibidos pela alta de contágios no país.
  • Cuba: O governo cubano decidiu reabrir Cuba inteira após uma melhora nos casos de coronavírus no país. O país também decidiu reabrir o turismo internacional, sem colocar os cubanos em risco. A medida prevista foi colocar os turistas isolados em locais específicos, além de serem testados. Os que testaram negativo para a doença, teriam a circulação permitida. 
  • El Salvador: Um grupo de enfermeiros contratados para a pandemia denunciou que ficaram sem receber salário durante os meses de maio e junho. Além disso, outras denúncias foram feitas: alojamentos com camas que antes recebiam pacientes com covid-19, falta de testes para as equipes e ausência de transporte até o local de trabalho. O governo justificou dizendo que pagaria os salários atrasados em 24/07.
  • Equador: O Equador teve uma nova vice-presidente este ano. A advogada María Alejandra Muñoz foi a escolhida para o cargo. 
  • Guatemala: Os tribunais do país anunciaram a suspensão de seus serviços em decorrência da covid-19, ao menos 118 funcionários testaram positivo para a doença. 
  • Honduras: O jornalista German Vallecillo Jr. e seu câmera Jorge Posas foram mortos após uma abordagem de homens armados. Após o crime, a polícia prendeu cinco suspeitos. 
  • México: As autoridades locais encontraram os restos mortais de mais um estudante, dos 43 desaparecidos em Ayotzinapa, em 2014. Este foi o terceiro corpo encontrado, desde o começo das investigações. 

Uma rede de sequestro e exploração de crianças foi descoberto em San Cristóbal de Las Casas, em Chiapas. Uma casa com 23 menores de idade foi encontrada, sendo que os mais velhos eram obrigados a trabalhar como vendedores ambulantes nas ruas da cidade. 

  • Nicarágua: Foi confirmado para 07/11 às eleições presidenciais no país, após a oposição nicaraguense se mobilizar contra o presidente Daniel Ortega, que está no poder desde 2007.
  • Panamá: Dois filhos do ex-presidente Ricardo Martinelli foram presos sob a acusação de  conspiração para cometer lavagem de dinheiro, e acusados de receber mais de US$ 20 milhões em subornos da construtora brasileira Odebrecht.
  • Paraguai: O Campeonato Paraguaio teve seu retorno cancelado, mesmo com os casos de coronavírus controlados no país. A causa foi que jogadores de três clubes testaram positivo para a doença.
  • Peru: As eleições gerais no país já tem data para acontecer: 11 de abril de 2021. Os peruanos irão escolher um novo presidente, vice, parlamentares e representantes do Parlamento Andino, órgão supranacional constituído por Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru.
  • Porto Rico: Foi iniciado um processo de investigação contra a governadora Wanda Vázquez  por obstrução de justiça, podendo levá-la a um processo de impeachment. 
  • República Dominicana: A República Dominicana tem um novo presidente: Luis Abinader. A eleição correu sem problemas, mesmo em meio a pandemia, e os opositores do novo presidente reconheceram a derrota ainda durante a apuração. 
  • Uruguai: Em meio ao controle do coronavírus, as escolas puderam retomar as aulas presenciais no país, após um plano de reabertura gradual de comércios, centros urbanos e estabelecimentos rurais. 
  • Venezuela: A oposição venezuelana e órgãos dos direitos humanos denunciaram outra morte em consequência das manifestações contra o governo. Um jovem de 18 anos teria morrido após ser baleado em manifestação contra o racionamento de combustíveis, na Ilha de Toas, cidade que faz fronteira com a Colômbia. 

Agosto

Cuba
  • Argentina: O presidente Alberto Fernandez informou que serviços como telefonia móvel e fixa, a internet e a TV a cabo viraram serviços essenciais públicos, ou seja, o Estado terá poderes para regulamentar os preços. 
  • Bolívia: A irmã do ex-presidente Evo Morales, Esther Morales de Willcarani, de 70 anos, morreu por causa do covid-19. Por isto, Evo acusou os adversários políticos de perseguirem seus companheiros, inclusive sua irmã. 
  • Chile: A região sul do Chile teve novos protestos, ocupando cinco cidades de Araucanía. Os motivos foram disputas por terras indígenas e reivindicações por direitos. 
  • Colômbia: A viúva de Gabriel García Márquez, Mercedes Barcha, morreu aos 87 anos. Esposa e musa inspiradora de Gabo, Mercedes morreu no México, onde os dois viviam até a morte do escritor. 

Três mineiros foram resgatados depois de cinco dias presos em uma mina de carvão em Lenguazaque, a 100 km da capital. 

  • Costa Rica: Os casos de coronavírus no país voltaram a subir, sendo registrados mais de mil novos casos diários, com 18 mortos em 24 horas. 

O governo anunciou uma fase de abertura controlada no país, porém, pode regredir se houver novos casos de coronavírus no país. 

  • Cuba: Cuba começou a fazer testes humanos para a vacina contra a covid-19, chamada de “Soberana 01”. O país tem a intenção de vacinar toda a população de forma gratuita, em fevereiro de 2021. De acordo com as autoridades de saúde, foram feitos testes em 676 pessoas entre 19 e 80 anos.
  • El Salvador: O presidente Nayib Bukele demitiu o diretor do Fundo Ambiental, Jorge Aguilar, após denúncias que uma empresa pertencente ao servidor vendeu aproximadamente 100 mil máscaras recicladas para o governo, por um valor superior a 121%.  
  • Equador: O ex-presidente Rafael Correa anunciou que concorrerá como vice-presidente nas eleições presidenciais de 2021, como companheiro de chapa de Andrés Arauz, seu ex-ministro de Conhecimento e Talento Humano.

A Câmara Legislativa do país aprovou o Código Orgânico de Saúde, que inclui o aumento da interrupção da gravidez. Atualmente, só era possível realizar o aborto em caso de uma mulher com “incapacidade mental”, se houve estupro ou se há risco de vida para a mãe. Com esta lei, a interrupção pode ser feita se tiver algum perigo para a mãe ou o bebê. 

  • Guatemala: Diversos corpos foram enterrados sem identificação no país, em decorrência dos sepultamentos rápidos em virtude da covid-19 e dos parentes se contaminarem com a doença. Segundo dados, pelo menos 63 pessoas foram enterradas sem identidade.  
  • Honduras: Feministas hondurenhas firmaram parceria com Oxford e o governo canadense para o lançamento de uma campanha contra a violência de gênero no país. Alguns dos objetivos é conscientizar a população sobre o assunto, agilizar a criação da Lei das Casas de Refúgio, para aumentar os centros de acolhimento às mulheres que estão em situação de vulnerabilidade.  
  • México: O diretor do site PM Noticias Guerrero, Pablo Morrugares, foi morto a tiros por um grupo desconhecido, na cidade de Iguala. O jornalista era vítima de ameaças nos últimos anos, por denunciar os cartéis no país. Com este caso, são seis jornalistas mortos no país. 
  • Nicarágua: A cidade de Manágua, capital da Nicarágua, anunciou a produção da vacina russa  Sputnik V, contra o coronavírus. De acordo com dados extraoficiais, o país já contabilizou ao menos 2,5 mil mortos, contra os 137 anunciados pelo Ministério da Saúde do país. 
  • Panamá: O Ministério da Saúde do país pediu ao governo um auxílio de US$ 10 milhões para pagar as dívidas acumuladas em meio à pandemia. O pedido veio após protestos dos profissionais de saúde pelo atraso nos salários.  
  • Paraguai: De acordo com um estudo da Diretoria de Aduanas do país, uma nova proposta legislativa de reexportação do turismo comercial para as fronteiras, pode prejudicar a arrecadação fiscal, causando uma perda de US$ 91 milhões em arrecadação.
  • Peru: Ao menos 13 pessoas morreram asfixiadas depois de uma operação policial em uma casa noturna que funcionava clandestinamente, em Lima. Segundo relatos, a polícia usou bombas de gás, causando as mortes. Já o governo afirmou que por haver somente uma saída, as condições não favoreceram. 
  • Porto Rico: Ao menos 400 mil pessoas ficaram sem energia elétrica por causa da tempestade tropical que afetou a região. Pelo menos 35 pessoas, incluindo dois recém-nascidos, foram resgatados pela Guarda Nacional.  
  • República Dominicana: Quatro pessoas morreram após a tempestade tropical Laura. Mais de um milhão de pessoas ficaram sem luz. Foram registrados ventos de 75 km/h.
  • Uruguai: A população carcerária do Uruguai está em cerca de 12.483, sendo 1.360 a mais desde dezembro do ano passado. De maio para agosto, 370 pessoas foram presas, de acordo com a Procuradoria do país. 
  • Venezuela: O Ministério Público venezuelano indiciou um homem acusado de agredir pessoas, com um taco, que violaram a quarentena, no bairro de La Pastora, capital de Caracas.  

Setembro

Colômbia
  • Argentina: O governo argentino decretou que 1% dos cargos de funcionalismo público seja direcionada para pessoas trans. O edital afirma que essa parcela minorizada tem “direito a um trabalho digno e produtivo, a condições de trabalho justas e satisfatórias e à proteção contra o desemprego, sem discriminação por identidade de gênero, ou sua expressão”. 
  • Bolívia: A Justiça boliviana determinou que o ex-presidente Evo Morales não poderia concorrer ao Senado nas próximas eleições no país. A justificativa é por Evo não estar no país — ele estava exilado na Argentina.
  • Chile: Após 50 anos do golpe que derrubou Salvador Allende, foram encontrados documentos que comprovam a participação do ex-presidente dos EUA, Richard Nixon, na derrubada do ex-presidente chileno. Após a queda e morte de Allende, o Chile viveu uma das piores ditaduras latino-americanas, comandadas por Augusto Pinochet.  
  • Colômbia: Os colombianos foram às ruas protestar após um advogado ser morto pela polícia com diversas descargas elétricas de armas de choque. As manifestações aconteceram em todo o país, deixando ao menos 12 mortos e 400 pessoas feridas.
  • Costa Rica: O governo da Costa Rica pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI) de cerca de US$ 1,7 bilhão. De acordo com o Banco Central, o PIB do país poderia sofrer uma queda de 5% este ano. 
  • Cuba: Após novos casos de coronavírus, Havana decretou um novo lockdown de 15 dias. 
  • El Salvador: O ex-presidente Mauricio Funes teve uma nova ordem de prisão feita pelas acusações de  negociações de trégua com as gangues do país, em 2012.
  • Equador: O Instituto de Microbiologia da Universidade San Francisco de Quito anunciou um caso de reinfeccção pelo coronavírus, o que poderia ser o primeiro da América Latina. De acordo com especialistas, o homem, de 46 anos, teve covid-19 em maio, e apresentou os sintomas da doença novamente, em agosto. 
  • Guatemala: O presidente Alejandro Giammattei testou positivo para coronavírus, sendo o quinto chefe de Estado da América Latina a confirmar a doença.
  • Honduras: Por causa do isolamento social, além de contribuir para os baixos números de coronavírus, também houve uma queda em homicidios no país. Segundo a Polícia Nacional, foram registradas 16,6% a menos nos casos de mortes até agosto, em comparação a 2019. 
  • México: Ao menos 200 fósseis de mamutes foram encontrados no norte da capital. É o maior cemitério de mamutes encontrado no mundo. Além disso, foram achadas  ossadas de ao menos 25 camelos e cinco cavalos, segundo o Instituto Nacional de Arqueologia e História.
  • Nicarágua: A cada duas horas é registrado um ataque violento motivado por política no país, de acordo com o Monitoramento Azul e Branco, que analisa incidentes da crise sociopolítica nicaraguense. Em agosto, foram registrados 229 ataques, incluindo quatro assassinatos. Desde o início das pesquisas, em 2018, foram registrados ao menos 10.599 incidentes, uma média de 12 eventos violentos por dia 
  • Panamá: Após mais de 20 meses enfrentando níveis baixos de água, o Canal do Panamá voltou a funcionar com um calado máximo de 50 pés, ou seja, o que impede que eclusas — obra de engenharia hidráulica que permite que embarcações subam ou desçam os rios ou mares em locais onde há desníveis — sejam danificadas e aumenta o números de contêineres permitidos no transporte. 
  • Paraguai: O ex-vice-presidente da República, Óscar Denis, foi sequestrado. A suspeita é que ele tenha sido levado por guerrilheiros ligados ao Ejército del Pueblo Paraguayo (EPP). O grupo chegou a liberar um de seus funcionários, Adelio Mendoza. 
  • Peru: O congresso peruano rejeitou o impeachment do presidente Martín Vizcarra. 78 congressistas votaram contra o impeachment e 32 a favor, com 15 abstenções.  
  • Porto Rico: Soraya Santiago, primeira portoriquenha a fazer uma cirurgia de redesignação de gênero na década de 70, morreu aos 73 anos, em decorrência de um câncer. 
  • República Dominicana: O presidente Luis Abinader comunicou o Plano de Recuperação Responsável do Turismo, que começou na segunda quinzena de setembro e durou até o final do ano. Turistas que forem ao país terão acesso a assistência médica bancada pelo governo, incluindo cobertura para emergências, testes de covid-19 e indenização por estadias prolongadas.
  • Uruguai: Convocada pela PIT-CNT, maior central sindical do país, os uruguaios fizeram uma paralisação de 24 horas, em protesto contra o governo, após um estudo realizado pela  Cepal — Comissão Econômica para América Latina e Caribe — que demonstra que o Uruguai foi o país da região que menos investiu em políticas sociais compensatórias durante a pandemia.
  • Venezuela: Uma comissão de investigação da ONU relatou que o presidente Nicolás Maduro cometeu “violações flagrantes”, além de manter repressões políticas como “política de estado”, resultando em mais de 3 mil opositores presos, desde 2014. 

Outubro

Bolívia (foto: RT)
  • Argentina: Quino, cartunista e criador da Mafalda, morreu aos 88 anos. A causa da morte não foi divulgada.

A Argentina superou 1 milhão de casos de coronavírus no país, sendo o segundo a registrar tais números na América Latina.  

  • Bolívia: Luis Arce, do partido de Evo Morales, Movimento ao Socialismo, o MAS, venceu as eleições presidenciais. Em uma eleição histórica, Arce obteve 55,1% dos votos, conquistando a presidência ainda no primeiro turno. 
  • Chile: Os chilenos votaram por um novo processo de Constituição no país. Com isto, a Constituição feita pelo ditador Augusto Pinochet, será substituída pela nova eleita. 78% da população chilena se declarou a favor de uma nova Carta Magna. 
  • Colômbia: Bogotá terá linha de metrô após 80 anos de espera. Um dos motivos para a demora foi a briga de como deveria ser construído o metrô: elevado ou subterrâneo. No fim, foi escolhido o elevado, já que a topografia irregular da cidade e os cuidados ambientais tornam mais cara a opção subterrânea.  
  • Costa Rica: O país negociou com o FMI um acordo crédito de US$ 1,75 bilhão, que pode amenizar a crise financeira no país, que sofreu uma queda de 5% da atividade econômica, além de uma taxa de desemprego que chegou a 24% e um déficit fiscal que teve previsão de chegar em quase 10% do PIB no final do ano.  
  • Cuba: Um dos gêneros musicais mais famosos de Cuba, o son cubano, será celebrado todo dia 08/05, a partir de 2021. O dia foi definido em homenagem a Miguel Matamoros e Miguelito Cuní, cantores principais do ritmo. 

De acordo com documentos oficiais publicados pelos EUA, o governo estadunidense, que na época era comandado pelo presidente Lyndon Johnson. esteve perseguindo o guerrilheiro Ernesto “Che” Guevara desde 1957, quando recebia informações frequentemente sobre seu paradeiro.

  • El Salvador: O Departamento do Estado dos EUA afirmou que ao menos 127 pessoas sofreram um processo em El Salvador, acusadas de participação na gangue Mara Salvatrucha, ou MS-13, a principal do país. Desse número, seis haviam sido condenados à prisão perpétua.
  • Equador: Um grupo de médicos repudiaram a fala do Ministro da Saúde, Juan Carlos Zevallos, que afirmou que os profissionais levaram a covid-19 aos hospitais após participarem de reuniões sociais. A Federação Médica do país advertiu que as falas do ministro são uma ofensa à classe médica e que 196 profissionais já morreram por causa da doença.
  • Guatemala: O processo contra o ex-guerrilheiro Julio César Macías López, conhecido como César Montes, foi iniciado no país. Montes foi acusado pelo assassinato de três soldados em 2019. Ele foi preso pela Iterpol no México, em 10/10.
  • Honduras: O jornalista Luis Almendares foi assassinado por um grupo de homens armados, em Comayagua, a 60 km da capital Tegucigalpa. O profissional já havia recebido ao menos dez ameaças de morte. 
  • México: Aproximadamente 100 corpos foram encontrados em valas clandestinas em Guanajuato, região central do México. As suspeitas das autoridades locais são que o cemitério seja comandado pelo cartel Jalisco Nueva Generación.
  • Nicarágua: O Congresso da Nicarágua aprovou a lei de “agentes estrangeiros”, fazendo que mesmo entidades do país possam ser qualificadas com essa nomenclatura se receberam verbas de outros países. Foram 70 votos a favor e 17 contra.
  • Panamá: A Comissão Interamericana de Direitos Humanos afirmou que o Panamá tem leis discriminatórias contra a população LGBTQIA+. Entre os questionamentos feitos pela entidade estão a proibição do casamento igualitário, as barreiras para adoção de crianças, direito à pensão alimentícia e herança.  
  • Paraguai: Sete corpos foram encontrados em estado de decomposição dentro de um container de fertilizantes vindos da Sérvia, no porto de Villeta, a 30 km da capital, Assunção. Entre os mortos estavam três marroquinos e um egipcio. As causas das mortes podem ser asfixia, desidratação ou inanição.
  • Peru: O Presidente Martín Vizcarra foi novamente denunciado por corrupção. De acordo com uma denúncia feita, por meio de delação premiada, Vizcarra recebeu 1 milhão de soles (R$ 1,43 milhão) em 2013. Na época, o presidente era governador do departamento de Moquegua, no sul do país.
  • Porto Rico: Porto Rico teve um novo caso de uma mulher trans assassinada, sendo o sexto em 2020. De acordo com a polícia, Michelle Ramos Vargas, foi morta com tiros na cabeça.
  • República Dominicana: Em um acordo que lembra a época da Guerra Fria, o governo dominicano anunciou uma parceria com os EUA. O governo estadunidense se comprometeu a transferir US$ 2 bilhões para projetos de turismo, energia e infraestrutura.
  • Uruguai: O ex-presidente José “Pepe” Mujica anunciou a aposentadoria da política. Em decorrência de uma doença imunológica crônica, o político afirmou que irá se cuidar, já que o problema de saúde o impediria de tomar a vacina da covid-19. 
  • Venezuela: O governo da Venezuela recebeu o sexto navio iraniano com abastecimento extra de petróleo. O material oferece suporte ao país, que enfrenta uma crise petroleira, que chegou a cair 70% nos últimos anos. De acordo com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo — OPEP —, em 2015 eram 2,5 milhões de barris por dia, contra 570 mil em maio de 2020. 

Novembro

Peru
  • Argentina: O ex-jogador de futebol Diego Maradona morreu aos 60 anos, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória. No começo do mês, ele foi submetido a uma cirurgia no crânio. 

O governo argentino assinou o decreto que legaliza o auto cultivo para uso medicinal da maconha, assim como para a comercialização de óleos e outros produtos derivados da cannabis. 

A Câmara dos Deputados aprovou uma lei para taxar grandes fortunas no país. A medida agora irá para votação no Senado. 

Pessoas trans terão uma cota de 1% no Exército argentino. O alto escalão das Forças Armadas teve até o dia 30/11 para cumprir as novas normas.  

  • Bolívia: O presidente eleito, Luis Arce, sofreu um atentado com explosivos na casa de campanha do partido, em La Paz. Não houve feridos.

O ex-presidente, Evo Morales, voltou à Bolívia após um ano em exílio na Argentina. O boliviano foi recebido por uma multidão no país, inclusive em Cochabamba, onde iniciou sua vida política.

  • Chile: Chegou ao fim o período comandado pelo general Mario Rozas dos Carabineros, a polícia militar. A renúncia aconteceu após policiais atingirem dois jovens no centro de detenção em Talcahuano, no sul do país. Dois jovens foram atingidos e ficaram feridos. O novo responsável pela corporação será o também general Ricardo Yáñez.
  • Colômbia: Manifestantes voltaram às ruas contra o governo de Iván Duque. Eles denunciam falta de diálogo com o presidente em meio às dificuldades financeiras na pandemia. Além disso, a população também reivindica maior cobertura de saúde e educação, socorro econômico às pequenas empresas e a garantia de uma renda mínima para os desempregados.
  • Costa Rica: A Costa Rica criou uma categoria de asilo político a imigrantes, com residência por dois anos, prorrogáveis, e direito ao trabalho, para aqueles que comprovem não ter antecedentes criminais.
  • Cuba: O governo cubano abriu mão da maior parte de controle sobre serviços de gastronomia do país. Criado em 1968, o sistema pode ser adaptado a cooperativas e pequenas empresas privadas, sob um modelo de arrendamento. 
  • El Salvador: O Ministro da Agricultura e Pecuária, Pablo Salvador Anliker, foi denunciado por suposta ocultação de dados relacionados às compras de mantimentos durante a pandemia.
  • Equador: O biólogo Luis Baquero apresentou uma nova e rara espécie de orquídea, que foi encontrada no norte do país. De acordo com Baquero, a planta localizada na reserva Drácula se destaca por ter cerca de 40 centímetros das raízes ao topo do talo, muito acima da média de outras orquídeas, que ficam em torno de 10 cm.
  • Guatemala: Manifestantes atearam fogo no Congresso da Guatemala, em protesto contra um orçamento federal, que prevê aumento de estímulos às empresas e à construção, porém com cortes na saúde e na educação. Ao menos 60 pessoas foram intoxicadas por causa do gás lacrimogêneo, 37 foram presos e 14 hospitalizados, sendo dois com traumas oculares, podendo perder a visão. Diante dos protestos, o governo voltou atrás da decisão. 
  • Honduras: O país tem a maior taxa de feminicídio da América Latina, cerca de 6,2 a cada 100 mil mulheres. Os dados são do Observatório de Igualdade de Gênero da CEPAL — Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. O El Salvador vem atrás com 3,3.  Em média, uma mulher é vítima de violência de gênero a cada hora em Honduras, com uma morte a cada 23 horas.
  • México: O estado de Puebla aprovou o casamento e união estável igualitário, incluindo direitos iguais ao matrimônio entre heterossexuais ou casais que estão juntos há, pelo menos, dois anos e possuem filhos.  Atualmente, o casamento igualitário é permitido também na Cidade do México, além dos estados de Coahuila e Quintana Roo. 

O Senado mexicano aprovou a  regulamentação e despenalização da maconha para uso recreativo, científico e medicinal. A Câmara precisa aprovar a lei, agora.  

  • Nicarágua: O furacão Eta, que atingiu países da América Central, afetou Nicarágua também. Com ventos de mais de 220 km/h, a tempestade chegou na categoria 4. Não houve números exatos dos atingidos pelo furacão.
  • Panamá: O presidente Laurentino Cortizo aprovou a Lei Geral da Cultura. Dentre as medidas da nova lei estão colocar “cultura digital e economias criativas” no âmbito da cultura nacional. 
  • Paraguai: A equipe do Hospital das Clínicas, em Assunção, fez um protesto reivindicando um tratado assinado em 2019, que previa um investimento de 5 bilhões de guaranis (cerca de R$ 3,7 milhões). Os profissionais pedem pela compra de materiais, nivelação do salário e pagamento de seguro e hora extra. 
  • Peru: O presidente Martín Vizcarra sofreu um impeachment por “incapacidade moral permanente”, após denúncias de supostos subornos recebidos por Vizcarra quando ainda era governador de Moquegua, em 2013. O cargo foi ocupado por sete dias por Manuel Merino, que renunciou seis dias depois, após protestos no país. 

Dois manifestantes morreram e pelo menos 40 ficaram desaparecidos. Já os feridos superam uma centena. Além de serem contra a escolha de Manuel Merino para o cargo, os cidadãos também rechaçaram a destituição do agora ex-presidente, Martín Vizcarra. O sucessor de Merino foi  Francisco Sagasti, que ocupará o cargo até as eleições de 2021.

  • Porto Rico: Porto Rico fez eleições para governador,  representantes legislativos, prefeitos de 78 cidades e um referendo sobre seu status. Porém, houve um erro e as autoridades descobriram cerca de 200 urnas cheias de votos que não foram contabilizadas, gerando um mistério para a população sobre quem ganhou as eleições. 
  • República Dominicana: A Comissão de Justiça da Câmara avançou sobre um projeto que impede os casamentos infantis no país, proibindo a união forçada sob qualquer hipótese. Hoje em dia, uma em cada 5 adolescentes entre 15 e 19 anos está casada ou se relaciona com um homem 10 anos mais velho. 
  • Uruguai: Montevidéu cancelou o Carnaval do ano que vem, em virtude da covid-19. Na época,  o Uruguai tinha 5.303 casos confirmados e 74 mortes por coronavírus.
  • Venezuela: Um barco com 16 crianças venezuelanas refugiadas foi deportado de Trinidad e Tobago, como medida para conter a imigração da população da Venezuela. De acordo com os dados, ao menos 24 mil venezuelanos foram para Trinidad e Tobago. 

Dezembro

Argentina
  • Argentina: O governo argentino aprovou a taxação das grandes fortunas no país. No começo, será uma cobrança única e excepcional, que começa em 2% do patrimônio declarado por pessoas físicas que possuam acima de 200 milhões de pesos (R$ 12,6 milhões) em bens. A cobrança é progressiva e chega a 3,5% para posses acima de 3,5 bilhões de pesos (R$ 220 milhões).

Em decisão histórica, a Argentina aprovou a legalização do aborto, até a 14ª semana, no país. O procedimento deverá ser feito no prazo de até dez dias do pedido ao serviço de saúde. Com isto, a Argentina torna-se o 6º país da América Latina a legalizar o aborto. 

Argentina começou a vacinação contra a covid-19. As primeiras pessoas imunizadas foram os profissionais de saúde. A vacina escolhida foi a Sputnik V, da Rússia. 

  • Bolívia: A Bolívia foi outro país que sancionou a lei para taxação das grandes fortunas superiores a 30 milhões bolivianos (aproximadamente R$ 22,6 milhões). A lei estabelece uma cobrança gradual do imposto. Aqueles que possuem entre 30 milhões e 40 milhões de bolivianos pagarão uma alíquota de 1,4%. 

Para valores entre 40 milhões a 50 milhões bolivianos, ela sobe para 1,9%. Donos de fortunas maiores terão que pagar uma taxa de 2,4%. Outros países como Chile e Peru também discutem para fazer o mesmo. 

O Serviço de Cadastro Cívico da Bolívia reconheceu a união entre duas pessoas do mesmo sexo. É a primeira vez que esse fato acontece no país. Com a decisão, David Víctor Aruquipa Pérez e Guido Alvaro Montaño Durán puderam ser reconhecidos como um casal.

  • Chile: Uma Comissão Mista apresentou um projeto de lei para que 17 dos 155 assentos na Constituinte sejam direcionados para os povos indígenas, resultando em um pouco mais de 10%. Além disso, foi proposto que uma cadeira seja reservada para os afrodescentes, porém o pedido foi negado, só podendo fazer parte da convenção constitucional concorrendo na eleição geral.

O Chile também começou a imunizar a população contra o coronavírus, dessa vez a escolhida foi a Pfizer-BioNTech, profissionais de saúde também foram os primeiros a serem vacinados.

A Corte de Apelação de Valdivia, no Chile, decidiu reconhecer o povo Mapuche como nação. Com isso, a população originária terá direitos e é dona de suas terras. A decisão afirmou que “as terras cujos proprietários são indígenas não podem ser arrendadas, emprestadas, nem seu uso, gozo ou administração transferidos a terceiros”.

  • Colômbia: A paridade de gênero foi aprovada no código eleitoral colombiano, ou seja, as candidaturas que houver cinco ou mais representantes, deverão reservar metade dos cargos para mulheres e outra para homens. Anteriormente, era obrigatória uma taxa de 30% para cada gênero nas candidaturas.  
  • Costa Rica: A Assembleia Geral da ONU aprovou um projeto da Costa Rica, apoiada por outros 52 países, que declara o dia 31/08 como Dia Internacional dos Afrodescendentes. A decisão ocorreu no 100º aniversário da Declaração dos Direitos dos Povos Negros do Mundo.  

Além de Argentina e Chile, os costarriquenhos também começaram a ser imunizados. O país recebeu as doses da Pfizer.

  • Cuba: O governo de Cuba anunciou a unificação das moedas a partir de janeiro de 2020. Agora, só valerá o peso cubano. Anteriormente, a moeda convencional era o peso conversível, paritário ao dólar. 
  • El Salvador: O presidente Nayib Bukele comemorou que o Departamento de Segurança Interna dos EUA prorrogou o Acordo de Cooperação de Asilo de janeiro a outubro de 2021. Com isto, diversos imigrantes salvadorenhos podem trabalhar sem correr o risco de serem deportados. 
  • Equador: O Conselho Nacional Eleitoral equatoriano confirmou a candidatura da chapa progressista formada por Andrés Arauz e Carlos Rabascall, da legenda Unión de la Esperanza. As eleições presidenciais acontecerão em fevereiro de 2021.
  • Guatemala: A Procuradoria de Direitos Humanos (PHD) decidiu que as forças policiais violaram os Direitos Humanos nas manifestações ocorridas em novembro. A PHD declarou como imputáveis o ministro de Governo, Gendri Reyes, o diretor da Polícia Nacional, José Antonio Tzubán, além dos agentes diretamente responsáveis pela violência. 
  • Honduras: A Frente Parlamentar Contra a Corrupção em Honduras pediu uma aprovação transparente no orçamento público de 2021, já que aprovar a medida em tempo recorde pode demonstrar possibilidades de corrupção. 
  • México: O México começou a aplicar a vacina da Pfizer contra a covid-19 no país. A primeira pessoa a receber a imunização foi uma enfermeira de 59 anos. O presidente López Obrador anunciou que a vacinação será universal e gratuita. Aristóteles Salvador, ex-governador do estado de Jalisco, foi assassinado a tiros, em Puerto Vallarta, no litoral do estado. Os suspeitos são o grupo do Cartel Jalisco Nueva Generación
  • Nicarágua: O presidente Daniel Ortega pretende privatizar o serviço nacional de distribuição de água do país, permitindo que a Autoridade Nacional de Água conceda licenças de exploração e operação a agentes privados. 
  • Panamá: O ministro de Relações Exteriores, Alejandro Ferrer, e seu vice, Federico Alfaro, divulgaram uma carta de renúncia ao presidente Laurentino Cortizo. As justificativas não foram informadas. 
  • Paraguai: O sequestro do ex-vice-presidente Óscar Denis completou três meses sem respostas e sem o paradeiro do político, acumulando insatisfações por parte da família e da própria investigação. 
  • Peru: O ex-presidente Martín Vizcarra anunciou que irá se candidatar ao Congresso nas eleições de 2021, pelo partido Somos Perú.  
  • Porto Rico: Porto Rico recebeu as primeiras doses da vacina contra a covid-19. A terapeuta respiratória Yahaira Alicea foi a primeira pessoa vacinada na região.
  • República Dominicana: A Camara dos Deputados da República Dominicana aprovou uma lei que proibe o casamento infantil no país. De acordo com dados oficiais, 36% das crianças e adolescentes dominicanas se casam ou estabelecem uma união antes dos 18 anos de idade.
  • Uruguai: O ex-presidente Tabaré Vázquez morreu aos 80 anos em virtude de um câncer no pulmão. O político foi o esqurdista pioneiro em assumir a presidência da República do país.
  • Venezuela: O país teve eleições legislativas, com o partido de Maduro vencendo, com 67,7% dos votos. De acordo com o Conselho Nacional Eleitoral, apenas 31% compareceram às urnas. 

Pela primeira vez, os povos indígenas puderam eleger três deputados para representá-los na Assembléia Nacional do país.  

A Venezuela fechou contrato para a aquisição da vacina Sputnik V, contra o coronavírus. O governo espera vacinar 10 milhões de pessoas.  

Gostou da retrospectiva dos principais acontecimentos de 2020? 

Este ano foi difícil e complicado para todos, porém, qual foi o acontecimento que mais te impactou na região em 2020? Conta para a gente no nosso Twitter ou nos comentários aqui embaixo. E não deixe de conferir a retrospectiva de música, também. 

Para continuar conhecendo mais sobre os fatos históricos e culturais da América Latina, leia outros textos do Exclamación

Autor: Beatriz Gouvêa

Jornalista de formação e amante da cultura hispana desde criança. Passo a maior parte do tempo escutando música em espanhol e amo tudo o que envolve o universo latino.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s