A origem da letra ‘Ñ’: como surgiu a variante da língua espanhola?

Você conhece a origem da letra Ñ? Por meio do alfabeto romano, também conhecido como alfabeto latino e padrão para a maioria das línguas ao redor do globo, a escrita e oralidade hispânica foi ganhando corpo. Quando comparada com o português, que compartilha da mesma gênese, nota-se claras diferenças no seu som e formação.

Uma das maiores marcas da língua espanhola, o “Ñ” data sua origem por volta de mil anos atrás, na Idade Média. Mas como esta letra tornou-se parte do alfabeto hispânico e se adaptou durante os anos?

A origem da letra Ñ

O início da formação da letra mais marcante do espanhol se deu por uma necessidade: os  povos da região conhecida como Hispânia criaram sua identidade reproduzindo o som “eñe”, inexistente no latim. 

O ato contínuo da evolução de um idioma envolve a adaptação da linguagem por seus locutores. Como consequência de uma expansão do latim, se constituem as línguas românicas, conhecidas atualmente como o espanhol, português, italiano e francês.

A presença deste som, chamado de nasal palatal, é perceptível em todos os idiomas. O dígrafo, representado em português por “nh”, era presente no espanhol como “nn”. A partir do seu desenvolvimento, a língua espanhola transformaria seu dígrafo em uma letra.

A inclusão no alfabeto

A princípio, por volta do século IX, existiam três maneiras de transcrever o “Ñ”. Os escrivães, responsáveis pela documentação do idioma, eram conhecidos como copistas, por ‘copiarem’ o som da fala para a escrita.

Segundo Gómez Asencio, professor de Língua Espanhola na Universidade de Salamanca, os escrivães adotaram a letra com o til em uma tentativa de simplificar e reduzir o dígrafo “nn”:

“Essa foi uma solução para economizar pergaminho e facilitar o trabalho árduo dos monges escribas. Por isso o uso de abreviações era muito comum na época”, afirmou à BBC Mundo.

No século XII, o rei Alfonso X, conhecido como O Sábio, decretou como correto o emprego da letra “Ñ”, buscando padronizar a escrita da língua espanhola. Curiosa a origem da letra Ñ, não?

Adaptação da língua

A partir da reforma ortográfica de Alfonso X, o uso do “Ñ” se tornou implícito no cotidiano espanhol, até que, em 1492, a primeira gramática do castelhano, feita por Antonio de Nebrija, tornou a letra oficialmente parte do alfabeto. 

Além da “Ñ”, o alfabeto hispânico já adotou as letras “Ll” e “Ch”, correspondidas pelo “Lh” e “Ch” em português, sendo foneticamente representadas por “i” – ou “j” no sotaque argentino – e “ti”, respectivamente. Em 2010, a RAE (Real Academia Española) reclassificou os termos como dígrafos, ajustando o abecedário em 27 letras.

A letra Ñ pelo mundo

Apesar da presença do “Ñ” ser mais reconhecida no castelhano, a língua espanhola não foi a única a adotá-lo. O galego e o asturiano, idiomas das Comunidades Autónomas espanholas Galiza e Astúrias, também usufruem da letra.

Línguas indígenas de povos de toda a América Latina também fazem o uso do ene com til. São exemplos: mixteco, zapoteco, otomí, quechua, aymara, mapuche e o guarani.

Gostou de conhecer a origem do “Ñ”? Acesse o Exclamación para mais informações da língua espanhola e cultura dos países hispânicos!

Autor: Amanda Clepf

Analista de mídias sociais e entusiasta da cultura e política hispânica. Gosto de debater e iniciar conversas. Simplemente enamorada por la história de Argentina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s